Não vou me disfarçar de mendigo… – Por: Valacir M. Gonçalves

Li uma entrevista num grande jornal do país que me lembrou de algo que eu teimava em esquecer. Nela o entrevistado, “especialista em segurança”, explicou como agem criminosos e como devemos proceder para “evitar” sequestros relâmpagos. Foi ótima a leitura, agora estou convencido de que destino é conversa fiada mesmo… Para nosso infortúnio, ele está sendo escrito pelos ladrões e vagabundos que infestam as cidades brasileiras, infelizmente, cada vez mais inseguras e violentas.

Antes podíamos sair a qualquer momento, mas isso ficou no passado. Atualmente é prudente saber que sequestros relâmpagos acontecem quase sempre à noite, ensinou o entrevistado. Que setenta por cento dos ataques se concentram no período entre as 17h30 e 21h, em ruas de pouco movimento, e que a abordagem se dá quando a vítima está embarcando ou desembarcando do automóvel. Resta dar adeus ao “happy hour”, dar adeus aos botecos da vida, e a conversa jogada fora – o chope gelado acompanhado do tira gosto acabou de vez da mesma forma que o “saudoso” cigarro… A noite ficou distante, perigosa, dominada pelos que a utilizam para cometer todo tipo de crueldade sem hesitar, com a certeza dos que sabem que a impunidade é certa.

Dizem que, ao sair de casa, os cidadãos devem usar disfarce, vestir roupas gastas, com cara de pedinte e olhar de desgraçado… Parecer bem de vida é um perigo, desfilar em carros bonitinhos, exibir jóias e gastar dinheiro ostensivamente é virar vítima em potencial. Até um adesivo pode dar pista – tudo é informação… Além de andarmos disfarçados de mendigos, não podemos esquecer-nos de outras “opções”: andar a pé ou de ônibus, sair sem dinheiro, sem cartão de banco, sem relógio… O que fazer na rua nessas condições é algo que alguém precisa explicar antes que eu fique doido de vez…

Pensaram que chegou ao fim? Não! Ao voltar para casa depois de peregrinar sem grana pela cidade, sem nada que chame atenção e sem ir a nenhum lugar interessante, você não pode esquecer um detalhe fundamental. Se levar um celular escondido não poderá usá-lo livremente – precisará observar se existe carro rondando. Se não perceber nenhum, avise sua família que conseguiu voltar… Diga logo: “estou chegando, abram o portão rapidamente”. Deve entrar que nem raio para finalmente respirar o ar que estava preso, sem deixar de agradecer a Deus pela graça alcançada…

Mas se for “teimoso” e achar que tudo isso é bobagem, que nada lhe acontecerá, que conselhos são inúteis, existem outras recomendações reservadas para descrentes… Desobedeceu e não tomou as providências aconselhadas? Lembre! Atenda todas as exigências: entregue relógio, anel, dinheiro, corrente com o santinho, laptop – só “retenha” a alma… Mais: se estiver desesperado não cometa o erro de dizer que não tem dinheiro no momento, que arranjará no outro dia. Com certeza você continuará sequestrado indefinidamente – os criminosos sabem a força que têm…

Última dica. Ela envolve sua conta bancária: não deixe que seja revelado no extrato o total de dinheiro em conta, o aplicado, o valor do cheque especial, o empréstimo que está autorizado e por aí afora. Como isso é combinado com as instituições financeiras, o especialista não explica: caberá a você conversar com seu gerente e pedir para ele inventar “um extrato que não seja extrato”…, que não dê pista da sua situação financeira. Lembre-se: o extrato não poderá “irritar” o seqüestrador…

Depois de ler a entrevista cheguei à conclusão de que estamos realmente na pior. Não sei se troco meu carro por um mais simples ainda, se escondo o celular novo, se saio sem nenhum tostão no bolso ou se fico trancado em casa vendo televisão até morrer de tédio… Estou entre aqueles que não se conformam com isso, mas já paguei caro por esse “atrevimento” – fiquei duas vezes com armas apontadas para meu rosto e numa delas fui parar na UTI.

Finalmente me resta o apelo. Um país que organizou Copa do Mundo e Olimpíada, que tem tropas no Haiti, que ajuda (ou ajudou) Gana, o Paraguai, a Bolívia, o Uruguai. Que emprestou dinheiro pra Cuba e que dizia ter mais de duzentos bilhões de dólares em reservas precisa achar uma solução para melhorar a vida de seus cidadãos, ou pelos menos mantê-los vivos até serem chamados por Deus.

Pela parte que me toca, declaro que me recuso a usar disfarce de mendigo…

Amém!

 

e-mail: vala1@uol.com.br

blog: www.valacir.com

 

Temas .

 


Deseja comentar esta notícia? Autentique-se para postar um comentário. Efetue seu login aqui »

Ir para o topo da páginaIr para o topo da página